EDUCAÇÃO CONDUTIVA


A Educação Condutiva é uma pedagogia; uma pedagogia do movimento. Essa proposta visa a habilitação e a reabilitação de crianças e adolescentes com sequelas motoras de paralisia cerebral. A Educação Condutiva compreende o ser integral, pois não objetiva apenas melhorar tarefas motoras e funcionais, mas também transformar o desenvolvimento em sua totalidade, incluindo os aspectos emocionais e intelectuais de seus participantes.

A teoria e prática da Educação Condutiva estão fundamentadas no conceito da neurologia de plasticidade cerebral, (e sua constatação clínica) que reconhece a capacidade de flexibilidade do cérebro: a capacidade neuronal de reorganizar-se, de “aprender a aprender”.

Em nossa região, este é um projeto inovador no atendimento às pessoas com sequelas de paralisia cerebral, pois estabelece uma mudança de perspectiva mecânica para uma concepção de aprendizagem consciente e ativa.

A Educação Condutiva objetiva estimular ao máximo as possibilidades de cada pessoa, alcançando a independência biopsicossocial. Para isso, o trabalho desenvolve-se num processo contínuo, ativo e resultante da integração das dimensões motora, afetiva e cognitiva.

Esta proposta vem estabelecer um diferencial efetivo no atendimento às pessoas com sequelas de paralisia cerebral, oferecendo as condições de desenvolvimento que lhes oportunize a inclusão social.

O que caracteriza e diferencia essa proposta é a compreensão da unidade de cada ser humano inserido em um contexto e que depende da qualidade das relações sociais para se desenvolver.

Essa compreensão ajuda a superar as barreiras das desigualdades e desta forma justifica nossos objetivos de ampliar e garantir os direitos das crianças e dos adolescentes a uma vida social mais plena e efetiva possível.

A Educação Condutiva (EC) é um método abrangente de aprendizagem, recomendado para pessoas com alterações neuromotoras aprenderem a realizar ações de forma específica e consciente. Entendendo de uma forma simples, são ações que as crianças sem deficiência, aprendem através de experiências de vida diária e que as crianças com sequelas de lesão cerebral, precisam ser estimuladas a aprender.

As pessoas com sequelas de lesão cerebral, como nos casos de: Paralisia Cerebral, mielomeningocele, hidrocefalia, AVC, traumatismos medulares ou cranianos, Parkinson, Esclerose múltipla, podem apresentar uma condição neurológica com déficits de mobilidade e, geralmente, um conjunto de condições associadas que podem afetar muito o acesso a ambientes educacionais, bem como a capacidade de processar informações e aprender.

Isso não significa que não podem aprender. Os programas da Educação Condutiva são concebidos em um ambiente educacional para proporcionar às crianças apoios para maximizar a sua capacidade de aprender e interagir com seus pares.

A Educação Condutiva foi criada entre as décadas 40/50 pelo médico húngaro Professor András Petö, que entendeu os distúrbios motores como dificuldades de aprendizagem. Devido a isso, os programas da Educação Condutiva não são terapias, mas são orientados como tarefas de aprendizagem, pois as pessoas, com sequelas de lesão cerebral, precisam aprender a controlar e coordenar seus movimentos.

No Brasil, ainda é pouco conhecida. É ainda mais comum na Europa do que na América do Norte. A Educação Condutiva envolve todos os aspectos da funcionalidade - do funcionamento físico à comunicação, do desenvolvimento cognitivo à interação social, à experimentação e à aceitação psicológica, bem como a forma como todos esses componentes interagem.

A Educação Condutiva leva em conta que as pessoas com deficiência têm diferentes necessidades de aprendizagem para realizar as ações do dia a dia. Para esta metodologia é importante o processo de estimulação do desenvolvimento cognitivo, da conexão emocional e física durante as tarefas para que a pessoas sintam-se motivadas para entender, aprender e realizar com sucesso.



ATENDIMENTOS REALIZADOS


No período matutino são atendidos 2 grupos, de 2ª a 6ª feira:

GRUPO INFANTIL I

Alunos de 03 a 09 anos, atendimento diário de 01h45m.

GRUPO DE MÃES E BEBÊS

Alunos de até 3 anos, atendimento diário de 01h45m.


No período vespertino são atendidos 2 grupos, de 2ª, 3ª, 5ª e 6ª feira:

GRUPO INFANTIL II

Alunos de 03 a 09 anos, atendimento de 01h45m diárias.

GRUPO ADOLESCENTES/JOVENS

Alunos de 11 a 26 anos, atendimento de 01h45m diárias.